RESUMOS / ABSTRACTS

30 de agosto - quarta-feira

 

10h - 11h30 - Conferência de Abertura:

PROF. DR. MASSIMO DI FELICE (ECA-USP)

Atopias, Gaia e a transformação informativa e digital da condição habitativa.

A passagem das tecnologias mecanicistas e industriais para aquelas informáticas e digitais, proporcionou a alteração da nossa condição habitativa implementando além de um processo de informatização da matéria e dos espaços, a difusão de interações conectivas em redes. Estas últimas apresentam-se mais que como as agregações de actantes de diversas naturezas (B. Latour) como as formas híbridas de um processo de transubstanciação, que permite a hibridação de diversas substâncias e a criação de info-ecologia atópica, isto é, a trasformação da própria condição habitativa. Nos contextos hiperconectados de Gaia e das diversas redes que a compõem,

deixamos de habitar cidades e nações para nos conectar à biosfera e as redes transorgânicas de bits.

 

 

14h - 15h30 - Diálogo:

MARCELO MOSCHETA E JACOPO CRIVELLI VISCONTI

Memória, Identidade e Paisagem - Deslocamentos entre Arte e Natureza.

Um fio condutor na obra de Moscheta é a grande fascinação que tem pela natureza, assim como a sua disposição aberta à viagem e o enfrentamento com os elementos retirados da paisagem. Essa experiência de viajar e conviver em ambientes agrestes despertou seu interesse em retratar a memória de um lugar, elaborando um procedimento de classificação similar ao arqueológico e que questiona, por meio da arte, as fronteiras do território, da geografia e da física. Nessa conversa, o artista apresentará seu processo de trabalho através das viagens de residência que tem participado e os conceitos que norteiam sua produção atual.

 

 

15h50 - 17h20 - Mesa-redonda:

Residências Artísticas em Espaços Naturais

 

LILIAN FRAIJI (LAB VERDE)

LABVERDE: Art Immersion Program in the Amazon.

LABVERDE foi criado para explorar os limites da arte com a promoção de experiências autênticas, confronto entre disciplinas e evidencias de distintas perspectivas históricas culturais, envolvendo arte, ciência e natureza. O objetivo principal do programa é a criação de conteúdos artísticos sobre o meio ambiente, gerados pelo conhecimento teórico e pela experiência prática na maior Floresta Tropical do Mundo, a Floresta Amazônica.

Criado pela Manifesta Arte e Cultura em cooperação com o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA), LABVERDE é um programa internacional voltado para artistas e criadores que desejam compreender e refletir sobre a natureza, a paisagem e a estetização da ecologia. Uma vivência intensiva na Floresta mediada por uma equipe de especialistas nas áreas de arte, filosofia, biologia, ecologia e ciências naturais.

Experimentar a Floresta Amazônica, descobrir sua riqueza e biodiversidade e compreender sua importância para o balanço ecológico do planeta irá possibilitar uma análise crítica sobre a interpretação da paisagem, a representação da natureza e o papel das artes em tempos de mudanças climáticas.

 

FÁBIO DELDUQUE (SERRINHA)

Arte e Experiência na Serrinha

O Festival Arte Serrinha tem como principais características o fomento à produção artística e o engajamento em causas ambientais misturando criação e pesquisa aos processos educativos. Concentrado na Serrinha, bairro rural da cidade de Bragança Paulista, tem sua atuação ligada à produção, formação e difusão da cultura através de várias linguagens artísticas em um evento que já se firmou como referência no Brasil por seu poder de experimentação, multidisciplinaridade e ligação com o espaço em que ocorre. O Festival busca principalmente trabalhar a relação entre as pessoas e o ambiente, problematizar o processo acelerado de transformação do espaço, bem como discutir questões contemporâneas pelo olhar original e multifacetado da criação artística.

 

CARLA MERCEDES HIHN (ARTISTA/ALEMANHA)

Water and Line

Carla-Mercedes Hihn is inspired by the surfaces of rivers and streams. Observing and drawing the permanent changing phenomenon she developed a drawing-technique with which she creates palimpsest-line-patterns with pencil on paper. Her motivation to do the residence at LAB VERDE in the Amazon region is to experience and perceive the biggest stream of the earth and the landscape that is shaped by water. Being immersed into this enormous surrounding she plans to transform her expressive way of drawing according to it. Hihn is going to talk about her artistic experience in the Amazonas.

 

Mediação: Marcos Martins

31 de agosto - quinta-feira

 

10h -11h30 - Mesa-redonda:

Fabulações Botânicas

 

PROFA. DARLENE FARRIS LABAR (EAST STROUDSBURG UNIVERISTY - USA)

The Surrounding Planet.

I am proposing how combining art, science and futuristic 3D technology in the form of 3D printing and immersive reality can engage a diverse audience to focus on the critical issue of ecosystem sustenance and corresponding effects on the natural environment. I will present a new perspective of how to capture naturally engineered earthly forms by using full-color 3D printing and digital technology. The sculptures, which are replicas of small plants and flowers indigenous to specific regions, are designed on 3D software and printed in a solid full-color 3d printed model as they appear in their natural state. These works of art promote the awareness and education of protected lands. They can be seen as an archive that will allow for the future study of plants, even if any they become extinct. My overall predominant theme requires research concerning the health of our natural surroundings and the sensitive species that influence our future existence.

 

PROFA. DRA. VIGA GORDILHO (UFBA)

Jardins Suspensos: uma fabulação de deslocamentos.

A comunicação semeia registros e reflexões no percurso da criação de obras realizadas entre 2014 e 2017. Germina o pensamento visual cultivado em sintonia entre prática - experimentos, fotografias, desenhos, pinturas , objetos - e teoria - textos de artista, anotações, diários e leituras - , como grãos poéticos que fertilizam pequenos “jardins suspensos”, tendo como semente rememorações autobiográficas em fabulações de deslocamentos.

 

PROFA. DRA. NIVALDA ASSUNÇÃO (UNB)

Musa: além do gênero, da ordem do antropofágico

Pensar o corpo a partir da natureza vegetal e compor uma poética de si. O si, o eu que experimenta pela linguagem fotográfica uma partilha da ordem do antropofágico. Essa natureza se refere à correlação entre meu corpo e o umbigo da bananeira numa espécie de indício de intrusão.

 

 

Mediação: Profa. Dra.Dália Rosenthal (USP)

 

 

14h - 15h30 - Diálogo:

SANDRA CINTO E HUGO FORTES

A paisagem na poética de Sandra Cinto

Ao longo de sua carreira, Sandra Cinto desenvolveu um rico vocabulário de símbolos e linhas para criar paisagens e narrativas líricas que se deslocam entre fantasia e realidade. Usando o desenho como seu ponto de partida, a artista torna ambientes intrincados e fascinantes de oceanos turbulentos, tempestades violentas, montanhas, geleiras, abismos e céus celestiais que freqüentemente se envolvem com a arquitetura com um efeito desorientador, propondo um espaço sem fronteiras. Evocando histórias de dificuldades e redenções humanas, essas paisagens fantásticas servem como uma metáfora para a odisseia humana, ao mesmo tempo em que pressionam os limites e as possibilidades de desenho. A artista propõe falar um pouco de sua relação com a paisagem e o desenho.

 

 

15h50 - 17h20 - Mesa-redonda:

Mundos Líquidos

 

PROF. DR. FRIEDRICH WELTZIEN (HOCHSCHULE HANNOVER - ALEMANHA)

Aesthetics of the Fluid

Within my conference talk the relation between nature and technology as it is seen in contemporary art shall be discussed with the help of fluid materials. The use of liquids in art and design can provide an even wider horizon of autopoietic strategies in the context of posthuman philosophical point of view.

 

NÉLE AZEVEDO (ARTISTA)

Um monumento líquido para tempos líquidos

O trabalho de intervenção no espaço urbano Monumento Mínimo foi concebido como um anti monumento, usando o monumento oficial como ponto de referência a partir do qual ele discute a celebração oficial e insere um corpo efêmero no espaço da cidade. Naquele momento era urgente discutir a celebração oficial muito distante do sujeito comum.

A medida que o Monumento Mínimo foi intervindo nas cidades a sua relação com o tema da sustentabilidade/ meio ambiente foi se acentuando. Sua afinidade com o tema é evidente.  ele pode também ser lido como um “monumento vivo” de questões contemporâneas, evidenciando a urgência de ações frente as ameaças geradas pelas mudanças climáticas e despertando interesse para além do circuito da arte contemporânea.

 

PROFA. DRA. NEIDE JALLAGEAS (KINORUSS EDITORA)

Singularização e fluidez no cinema de Andrei Tarkóvski

A partir da observação de fragmentos fílmicos propõe-se apresentar algumas motivações de Andrei Tarkóvski para singularizar sua obra, construindo espaços fluidos em que a água atua em sequências inteiras, adensando a narrativa com grande força poética.

 

Mediação: Prof. Dr. Hugo Fortes (USP)

1 de setembro - sexta-feira

 

10h -11h30 - Mesa-redonda:

Homem, Tempo e Ambiente

 

PROF. OSCAR LEONE (UNIVERSIDAD DEL MAGDALENA, SANTA MARTA - COLÔMBIA)

Biofilia Amazonas.

Los trabajos que se presentan en BIOFILIA AMAZONAS (2015) insisten en transcender la simple idea de poner en escena los bordes espaciales que tensan las relaciones hombre - naturaleza, intentando en este caso borrar esos bordes y re-construir, a partir de una experiencia performática y narrativa, un tejido social acumulado a lo largo de miles de años por las sociedades humanas, vegetales, minerales y animales en el complejo universo de la selva amazónica.

El resultado es un conjunto de imágenes, acompañadas a veces de algunos relatos, donde el cuerpo del artista –en ocasiones en compañía del cuerpo de otros seres- sale al encuentro de pequeños instantes en los cuales el espíritu de la selva y sus elementos, desplazan la ruta cotidiana del transcurrir de la vida para poner en escena fragmentos desajustados de la realidad, donde el cuerpo es expuesto a nuevas interacciones con el mundo que lo rodea.

 

PROFA. DRA. DÁLIA ROSENTHAL (USP)

Corpo Terra

Corpo Terra apresenta um grupo de trabalhos desenvolvidos nos últimos anos e que trazem como elemento principal os diálogos entre corpo e paisagem mediados pelas polaridades Tempo-História em suas distintas dimensões mito políticas. Nesta perspectiva, séries como GREEN CIRCLES, ORO SUCIO, VOO NEGRO, CONJUROS E CHISPA investigam em desenhos, fotografias, vídeos e ações relacionais - criadas em diferentes espaços da América Latina - relações entre memória e poder operando com diferentes elementos naturais e culturais de cada espaço selecionado como documentos, narrativas e testemunhos, terra, pedras, plantas, animais, som ou os saberes ancestrais.

 

PROFA. DRA. REGINA JOHAS (UFRN)

Arte na Era do Antropoceno

Esta comunicação trata a relação entre arte e natureza nesta nova era geológica, denominada de Antropoceno. Determinado por destrutivas transformações ambientais, o Antropoceno figura no centro das discussões políticas e ecológicas que procuram entender como evitar ou como se adaptar aos seus impactos. Esta nova terminologia, assimilada em outras áreas do conhecimento, passou a fazer parte do discurso das humanidades e das artes, aparecendo em práticas culturais, na produção de artistas, em exposições e em publicações específicas sobre o assunto. Trata-se de avaliar aqui as implicações ideológicas deste termo e de como ele vem sendo tratado no meio artístico.

 

Mediação: Leandra Espírito Santo

 

 

14h - 15h30 - Diálogo:

FERNANDO LIMBERGER E RAFAEL VOGT MAIA ROSA

O paisagismo como dispositivo artístico (?)

O diálogo se concentrará no paisagismo a partir de duas perspectivas: a autoral e a crítica. Inicialmente, o artista plástico Fernando Limberger apresentará uma seleção de trabalhos seus envolvendo paisagismo. Em seguida, o crítico Rafael Vogt Maia Rosa fará uma leitura crítica de obras contemporâneas em que a relação entre natureza e cultura é estruturante.

 

 

15h50 - 17h20 - Mesa-redonda:

Paisagem e Espaço Público

 

PROFA. DRA. TATIANA FERRAZ (UFU)

Último Andar

Ultimo andar é titulo de um dos três trabalhos abordados na apresentação da artista, e que consiste numa escada-mirante construída como replica dos dispositivos de vigilância dos comércios populares do Brás e Bom Retiro. O conjunto das três obras, produzidas em diferentes momentos da carreira, lida com a problemática da paisagem urbana, da relação de ocupação do território e dos artifícios para se alcançar uma vista.

 

PROFA. DRA. SYLVIA FUREGATTI (UNICAMP)

Aspectos da relação Arte, Natureza e Paisagem na Contemporaneidade.

A apresentação trata dos elementos da Natureza e da Paisagem ressignificados por meio de proposições da Arte Contemporânea. Para tanto, vale-se da análise de alguns projetos artísticos criados nas últimas décadas por Jenny Holzer, Joseph Beuys e Nelson Felix para alcançar apresentação comentada de um projeto artístico autoral.

 

PROF. DR. HUGO FORTES (USP)

Escultura, natureza e espaço público: experiências do Skulptur Projekte Münster

O Skulptur Projekte Münster é uma grande exposição internacional de esculturas e intervenções no espaço público, que ocorre desde 1977 a cada dez anos na cidade de Münster, na Alemanha. A exposição vem mudando a paisagem do espaço público deste local, já que muitas obras são incorporadas à coleção pública da cidade e podem ser vistas diariamente pelos cidadãos. Esta comunicação apresentará especialmente os trabalhos que são instalados em espaços naturais, como parques, lagos, etc ou que enfocam diretamente o tema da natureza.

 

Mediação: Tiago Gomes

Realização:

Apoio:

  • Twitter Clean
  • Flickr Clean

Parceria:

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now